Pesquisar este blog

Lume

sexta-feira, 28 de maio de 2010

.Deus,


acaba com a pós-modernidade

porque a pós-modernidade está acabando comigo;

essa cria dúbia, dilacerante

sina de viver após a modernidade.



Deus:

porque de todas as palavras santificadas

que eu tenha ouvido, inventado

eis a que escolhi pra dar mais força

e significado.



Deus que é meu Pai

meu Irmão Amigo

Filho mais amado,

estende a tua mão a guiar-me o caminho

outrora perdido. O caminho

de caminhar com exatidão ainda

que seja no chão da mudança.



Deus que é Deusa

e se faz mulher que é

fecunda e se faz vaidosa

geniosa, p'rigosa -

nåo cries, Deus que é mãe do mundo,

ressentimento de nós, homossapiens

porque há pouca coisa no mundo que me afaste

como uma Mulher ressentida. Suplico

que tenhas, em vez, a ternura

e a misericórdia

que tiveste no coração de Maria, Tua mãe

ao ver-Te Jesus, crucifixo.



E é por Te amar assim e amar

o que há de Ti em mim em nós

em tudo que há, é que eu, que prossigo

a fitar-Te o semblante magnífico

como se fitasse a mim mesmo no espelho,

Te peço em canto,

que acabes co'a pós-

Modernidade.

Essa mulher torpe do diacho maligno

deflorando da criança o corpo

num demônio em flor.



Devolve-nos, Ó Deus de deuses

e titãs e orixás e de mães e de pais

de profetas

e magos e reis

Ó Deus tão maior que a imensa solidão

lucidez dos Poetas

Cura-nos, Deus

Pajé

Sara-nos essa escabrosa ferida

antes que a fera da treva Nos envolva em silêncio.



Eu respeito, meu Deus, o silêncio magnânimo

de que só a Tua voz é capaz, Deus bonito,

mas insisto em cantar,

e é num canto oração

que barganho a canção de mais dez novas eras

de mais brilho mais luz

para que aqui se possa

cantar em louvor

ao Amor que só Nós conhecemos.



Por isso, ao dedo de Deus

que se faz no topo

da espiral do tempo

eu imploro que interceda e socorra

e que ajude a subjugar essa dúvida escura

essa empáfica descrença em Ti em Nós em Tudo

que se alastra e nos come e vomita perdidos

no abismo da falta de Significado e nos embebe

na tamanha escuridão onde a Luz é uma ofensa, uma mágoa:

maculada cegueira dos que olharam demais

e não viram florir Teu Amor, Ó meu Deus.



E eu canto, ajoelho-me e espero

a esperança brotar no meu ventre

e no seu e no vosso e que a Måe da bonança,

que é a Terra e o Vento e é o Fogo

que é o Ventre mais morno, o conforto das águas

mais calmas. E que é água e que é água e que é água

o Teu universo único de liquescências.



E eu espero o findar da pós-modernidade

e em verdade encontrar-me pra nós o realismo

mais sóbrio e abrupto de ser-se um romântico

e cantar-se o cantar-Nos

e o nosso negócio há de ser Te cantar

e louvar e adorar e permitir que cantes

também Tu, Ó meu Deus

em uníssono.



E dancemos, meu Deus uma valsa infinita e transcendental

numa eterna celebração do dia fatal em que fizemos as pazes

e acabamos com a pós-modernidade

em prol da unidade.

Festejemos conosco, nosso Deus de regalos e mimos

os diágolos íntimos e as verdades mais sábias do Teu

Reino de Amor.



Me ajuda, meu Deus a ajudar minha raça

a sair do poço trevoso e lamacento da pós-modernidade

e a sermo-nos ora aquela luminosa clareira pacífica

que antevi na utopia do canto.



Acaba, pelo Teu pelo Nosso Amor de meu Deus

com a pós-modernidade

porque a pós-modernidade está acabando comigo; conosco.

4 comentários:

Diego Barbosa disse...

aaaaahhhhh!!!!

acaba Deus, com a pós modernidade
porque ela também tá acabando comigo.

gostei do teu Deus, mui digno dos teus versos.

Old Pirats disse...

porque não podemos dinamitar a ilha de manhatan...

Isadora M. disse...

a resistência é, e sempre foi, criação de sentidos...

não sei.

FLÁVIA DE MACEDO disse...

Que deus te ouça.